CARACTERIZAÇÃO QUÍMICA E GEOTÉCNICA DE UM SOLO DO CERRADO PARA FINS AGRÍCOLAS

Alan Dumont Clemente

Resumo


A área de estudo refere-se à região do Alto Paranaíba, pertencente à Bacia do Rio Paranaíba, no município de Rio Paranaíba. Com o objetivo de conhecer as propriedades físicas, químicas e classificar os solos da área de estudo, foram realizados ensaios de caracterização geotécnica, ensaios químicos e difração de raios-X. A partir dos resultados obtidos, foi possível identificar o solo estudado como Latossolo vermelho distrófico típico, com baixo teor de matéria orgânica, baixa fertilidade e constituído por argilas inativas, isto é, argilas que apresentam pouco expansão ao serem umedecidas, baixa contração quando secas e baixa reatividade química.


Texto completo:

PDF

Referências


ABNT (1984a) – NBR 7181– Análise Granulométrica. Associação Brasileira de Normas Técnicas, Rio de Janeiro, RJ, 13p.

ABNT (1984b) – NBR 6459 – Determinação do limite de liquidez. Associação Brasileira de Normas Técnicas, Rio de Janeiro, RJ, 6p.

ABNT(1984c) – NBR 7180 – Limite de plasticidade. Associação Brasileira de Normas Técnicas, Rio de Janeiro, RJ, 3p.

ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/legis/portarias/1469_00.htm Acesso em: 14 de março de 2006 c.

APCEL.Asia-Pacific Centre for Environmental Law. Soil quality: maximum allowable limits of pesticide residue in the soil – TCVN 5941, 1995.

ARMAS, E. D.; MONTEIRO, R. T. R.; AMÂNCIO, A. V.; CORREA, R. M. L.; GUERCIO, M. A. Uso de agrotóxicos em cana-de-açúcar na bacia do rio Corumbataí e o risco de poluição hídrica. Química Nova, São Paulo, v. 28, n. 6, p. 975-982, 2005.

BAILEY, G.W.; WHITE, J.L. Factors influencing the adsorption and movement of pesticides in soils. In: GUNTHER, F.A. & GUNTHER, J.D. (Ed.) Residues reviews. New York: Spriger-Verlag, 1970. p.29-92.

BRASIL. Portaria no 518, de 25 de março de 2004. Dispõe sobre procedimentos e responsabilidades inerentes ao controle e à vigilância da qualidade da água para consumo humano e estabelece seu padrão de potabilidade e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Ministério da Saúde, Brasília, DF, 26 mar. 2004. Seção 1, p. 266-270.

COMPÊNDIO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS. São Paulo: Departamento de Defesa e Inspeção Vegetal, 1999. 672p.

CONAB - Companhia Nacional de Abastecimento. Acompanhamento de safra brasileira: grãos, sexto levantamento, março 2010. Disponível em: . Acesso em: 02 abr. 2010.

CONAB - Companhia Nacional de Abastecimento. Acompanhamento de safra brasileira: grãos, oitavo levantamento. Disponível em: . Acesso em 08 julho 2009.

COSTA, L.M. Caracterização das propriedades físicas e químicas dos solos de terraços fluviais, na região de Viçosa, e sua interpretação para uso agrícola. Viçosa, Universidade Federal de Viçosa, 1973.

EMBRAPA - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília: Embrapa - Centro Nacional de Pesquisa de Solos, 2006. 306p.

EPA – United States Environmental Protection Agency. National Pesticide Survey: Atrazine. Office of Water/Office of Pesticides and Toxic Substances. 1990.

EUROPEAN COMISSION - Decision of 10 March 2004, (2004/248/EC), L78/53.Official Journal of the European Union Commission.16.3.2004.

KIEHL, E.J. Manual de edafologia: relações solo – planta. São Paulo: Agronômica Ceres, 1979.

McBRIDE, M. B. Environmental chemistry of soil. New York: Oxford University Press, 1994. 406p.

MUSUMECI, M.R. Defensivos agrícola e sua interação com a microbiota do solo. In: CARDOSO, E.J.B.N.; TSAI, S.M.; NEVES, M.C.P. Microbiologia do solo. Campinas: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 1992. p.341-360.

REIS, T. C. Variação da acidez do solo em resposta a adição de materiais orgânicos. Piracicaba : ESALQ, 1998. 65 p. Dissertação de Mestrado.

USEPA / SW 846, Dez 1996 – Method 3050 B -Digestão ácida.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.